Biochem apresenta estratégias para ovos sem trincas e sem sujidades

Como o produtor de ovos deve trabalhar para obter ovos com cascas fortes em todas as idades da ave, livres de trincas ou com o menor índice de trincas? Neste artigo, a equipe técnica da empresa de nutrição Biochem explica quais são os caminhos para produzir ovos com qualidade de casca, sem trincas e sem sujeiras.

Os ovos trincados são recorrentes na avicultura de postura moderna e podem ter como causas fatores de ordens ambientais como, por exemplo, falhas na manutenção de equipamentos de coleta e limpeza dos ovos, problemas de saúde, estresse e problemas nutricionais da ave.

No que diz respeito aos aspectos nutricionais, é de extrema importância que o produtor fique atento à qualidade dos ingredientes das dietas das aves, bem como a composição e fonte dos ingredientes presentes nas rações. Sabemos que alguns macros e microminerais são essenciais para manutenção das funções vitais da galinha, bem como para a produção dos ovos.

A ave sempre destinará os nutrientes consumidos nas dietas para atender primeiro às funções básicas e vitais do organismo e, depois, destinará os demais nutrientes para a produção. Uma vez deficientes em determinados nutrientes, as aves podem deixar de produzir ou mesmo produzir ovos de menor qualidade, como é o caso dos ovos com cascas mais finas, propensos a sofrerem trincas.

Hoje existem microminerais disponíveis para comporem as dietas das galinhas, que se encontram nas formas inorgânicas (e.g. óxidos e sulfatos) e nas formas orgânicas. É fato que as fontes orgânicas são mais biodisponíveis comparadas às fontes inorgânicas, como comprovam diversos estudos científicos no mundo.

Nesse sentido, a Biochem possui um blend de minerais orgânicos em seu portfólio, o BCH 400, que se encontra na forma de glicinatos, que são essenciais para a formação da casca dos ovos. Os microminerais presentes no blend na forma de glicinatos possuem maior capacidade de absorção frente a outras fontes microminerais, o que viabiliza a manutenção da saúde e das funções para mantença da ave, bem como para produção de ovos com maior qualidade.

O BCH 400 pode ser fornecido para as aves do nascimento até o início da vida produtiva (e.g. transferência) e, posteriormente, quando os animais estão mais velhos e a capacidade de absorção dos microminerais pela ave é reduzida devido à idade.

AÇÕES PARA EVITAR OVOS SUJOS

A sujidade de ovos pode ter origem ambiental, como a limpeza dos ninhos – quando as galinhas não são criadas em gaiolas -, o tempo de coleta associado ao controle de moscas no galpão, a contaminação dos ovos na saída da cloaca com excretas diarreicas das aves, ou os ovos sendo sobrepostos sujos (e.g. com sangue) devido a problemas de saúde causados, por exemplo, por Pneumovírus, Bronquite Infecciosa, Pasteurella, E. coli, Salmonella etc.

Nesse sentido, é importante que, além de se atentar ao manejo diário na granja, o produtor observe questões nutricionais e de saúde das aves. Além da adoção do programa de vacinação adequado para o controle de doenças, o fornecimento de nutrientes e aditivos que auxiliam a saúde das aves é fundamental para diminuir a sujidade de ovos. Os próprios minerais orgânicos citados anteriormente são essenciais para as aves garantirem que o sistema imunológico enfrente com sucesso os problemas causados por agentes patogênicos ou agentes estressores.

Existem também os probióticos como alternativa para proporcionar melhor saúde intestinal e, consequentemente, saúde geral das aves, demodo a diminuir a sujidade dos ovos.

A Biochem acredita que a nutrição e a sanidade caminham atreladas em todos os momentos da vida da ave, e que o cuidado desde o nascimento é essencial. Nesse sentido, a empresa possui como alternativa para diminuição da sujidade de ovos, além dos minerais orgânicos, de modo a proporcionar melhor nutrição e, consequentemente, melhor saúde, dois probióticos, sendo um deles solúvel para aplicação via água de bebida (B.I.O.Sol®) e outro para ser adicionado na ração (TechnoSpore®). Os dois probióticos se complementam tendo em vista os modos de ação de ambas as cepas probióticas. Um deles é uma bactéria especialista produtora de ácido lático (Enterococcus faecium), associada à betaína anidra que, além de proporcionar rápida colonização do trato gastrintestinal por uma bactéria benéfica, hidrata e mantém as células intestinais mais saudáveis e com maior capacidade regenerativa frente aos desafios.

O outro produto probiótico (TechnoSpore ®) é composto por uma cepa exclusiva da Biochem, o Bacillus coagulans DSM 32016, que une as características das bactérias ácido láticas com as características das cepas formadoras de esporos, que geralmente são mais resistentes. Com melhor estado de saúde, a ave tem maior capacidade para contornar desafios do dia a dia, sejam eles de ordem ambiental ou sanitária.

CUIDADOS DESDE O INÍCIO

Os cuidados com as aves de postura devem ser iniciados antes mesmo do nascimento das aves, desde a preparação das matrizes para a sobreposição

de ovos de qualidade, de modo que as pintainhas de um dia de idade estejam saudáveis e com alta viabilidade.

No alojamento, é importante que todo o manejo seja conduzido corretamente para causar o menor estresse possível aos animais, de modo que se alimentem e consumam água em menor tempo possível. Nesse momento, o fornecimento de aditivos via água de bebida, como eletrólitos,visando auxiliar a recuperação do tempo de espera do nascimento até o alojamento e do transporte, ou probióticos, visando à colonização rápida e efetiva com quantidades suficientes de bactérias benéficas de modo a se sobressaírem as patogênicas ambientais, podem fazer toda diferença na fase seguinte.

A fase de pré-postura é caracterizada pelas aves ainda estarem em crescimento. Logo, é recomendado o fornecimento de dietas que atendam às exigências dos animais de forma efetiva, com dietas compostas por ingredientes contendo nutrientes mais biodisponíveis para serem absorvidos e desempenharem suas funções.

Por fim, na fase de postura, a qual se observa o pico de produção seguida de declínio ao longo do tempo, é um fenômeno natural do ciclo de vida da galinha que merece cuidado, assim como nas demais fases, com a nutrição, manejo, ambiência e sanidade dos animais. Ainda que mais estável, o uso de minerais orgânicos, probióticos após tratamentos com antibióticos e outras ferramentas buscando proporcionar melhor saúde e alto desempenho dos animais, podem ser meios de garantir menor sujidade, diminuir as trincas nas cascas dos ovos, alcançando o sucesso produtivo.

AS DIFERENÇAS DE QUALIDADE DE CASCA

A espessura da casca dos ovos pode variar devido a fatores como a hereditariedade, a ambiência e a nutrição. Algumas linhagens de galinhas produzem ovos com cascas mais espessas que outras. Essas diferenças na qualidade da casca são definidas pela capacidade das aves de utilizarem determinados minerais.

Temperaturas altas fazem com que as aves produzam ovos com a espessura da casca menor, bem como reduzem os níveis de cálcio ou bicarbonato de sódio do sangue em decorrência da taxa respiratória mais acelerada das aves para o controle da temperatura corporal. Concomitantemente, altas temperaturas provocam redução na ingestão de ração e, assim, diminuindo a ingestão de cálcio, fósforo, zinco, cobre, manganês e vitamina D3, que são essenciais para a qualidade da casca de ovos.

Além desses fatores, que podem acometer galinhas de postura em qualquer fase do ciclo produtivo, a literatura descreve que a idade da ave afeta a espessura da casca, com maior quantidade de ovos de cascas mais finas aparecendo depois das 60 – 68 semanas de vida.

COMO NÃO PERDER LUCRATIVIDADE COM AS EXIGÊNCIAS DA PORTARIA 612 DO MAPA

O cenário ideal para qualquer granja seria o de perda zero por problemas relacionados à qualidade de casca, não sendo aceito qualquer valor de perda. Entretanto, como essa realidade é basicamente utópica, reduzir essas perdas é primordial, tendo em vista a nova portaria do MAPA (DAS Nº 612 de 6 de julho de 2022), que exige o descarte dos ovos trincados sujos.

Atualmente, existe variabilidade nos valores-referência do que é tolerável sobre a porcentagem de ovos nessas condições nas granjas do Brasil, podendo ser encontrados 3% a 8% e até podendo ultrapassar 10% do total da produção, a depender da idade e local em que as aves se encontram. Fatores de diversas ordens influenciam essa variabilidade, podendo ser desde modo de coleta dos ovos (e.g.manual ou automático), sistema de criação (e.g. aves livres ou em gaiolas), estado sanitário (e.g. programa de vacinação), ambiência (e.g. controle da temperatura e umidade do galpão), bem como linha de nutrição utilizada (e.g. linha padrão ou premium com ingredientes “melhores”).

A Biochem está focada no crescimento da produção de proteína de origem animal e acompanha atenta todas as mudanças e adequações no mundo no que diz respeito à avicultura. Nesse sentido, a empresa concluiu a expansão de uma de suas instalações de produção e logística de aditivos.

A nova área de 4.500m2 está localizada em Lohne, na Alemanha. Presente em 75 países no mundo com mais de 340 colaboradores, a empresa se concentra em desenvolver, produzir e fornecer uma ampla gama de aditivos nutricionais para a postura comercial, sejam eles em pó, pasta, gel, líquidos e na forma de suplementos nutricionais. O portfólio de aditivos da Biochem apoia a saúde e o desempenho das aves, em qualquer idade ou fase da vida – incluindo programas de saúde intestinal, eficiência alimentar, modulação imunológica, nutrição de animais jovens e gerenciamento de micotoxinas.

A Hora do Ovo –  Edição 115 

Compartilhar